Nesses tempos de aquecimento global e ecologia em alta, vou falar de um assunto muito importante: o terra. Não o planeta, mas o elemento de proteção elétrica.

Você, como um bom aspirante a buliçoso das galáxias, com certeza conhece o famoso fio terra (sem duplo sentido, por favor), presente em muitos equipamentos elétricos, principalmente em geladeiras, máquinas de lavar, fogões com acendimento elétrico, fornos de micro-ondas e, é claro, computadores. Aquele fiozinho verde que é muitas vezes esquecido tem uma grande importância, não necessariamente para o funcionamento do equipamento em si, mas para a continuidade de nossa vida.

Por que esse nome?

Quando eu era criança pequena lá em Barbacena Pau dos Ferros, costumava ver um objeto muito estranho atrás da geladeira. Era uma latinha de margarina cheia de areia, com um fiozinho verde subindo até a traseira do eletrodoméstico. Meu pai, com sua lógica de técnico agrônomo, me dissera que aquele era o fio o terra e que ele precisaria, obviamente, ficar enterrado. Totalmente perdoável. Eu só fui entender a utilidade daquele fio já eletrotécnico barbudo.

De maneira geral, eu, você, as cadeiras (contanto que não sejam elétricas) e o chão estamos equipotencializados, ou seja, temos o mesmo potencial, ou seja, temos a mesma proporção entre prótons e elétrons em nossos átomos. Existe um ou outro íon, que é um átomo com falta ou excesso de elétrons, mas a média total é zero. Dessa forma não há circulação de corrente elétrica (considerável) entre você e a cadeira que na qual você está sentado.

O problema surge quando o homem cria eletricidade e as coloca dentro de coisas, como geladeiras e televisores. No moto-compressor da geladeira, existe um monte de fio enrolado que o faz girar quando percorrido por eletricidade. Esse monte de fio é coberto por um esmalte isolante que evita que a eletricidade passe dos fios para o corpo da geladeira. Na carcaça existe um fiozinho verde que fica normalmente pendurado atrás. Esse fio deve ser ligado ao circuito de proteção terra, que não passa de uma fiação ligada a uma haste de cobre enterrada no chão.

Como?

Em um mundo perfeito, a geladeira funcionaria para sempre desse jeito. Mas o mundo não é perfeito, não é mesmo?. Um belo dia, a vibração de anos de funcionamento do motor faz com que um pedacinho de esmalte se desgaste e o fio eletrificado entre em contato com a geladeira. Agora a geladeira inteira está em um potencial diferente de eu, você, das cadeiras e do chão. O que acontece? Passa a fluir corrente da geladeira para o chão. Mas é uma corrente baixinha, que não é suficiente para desarmar o disjuntor. Isso acontece porque os pés da geladeira, cimento ou cerâmica são mau condutores e dificultam a passagem da corrente elétrica.

No dia seguinte a esse belo dia, Dona Maria, que está no mesmo potencial que eu, você, as cadeiras e o chão, sente vontade de fazer um bolo e abre a geladeira para pegar alguns ovos. No local onde Dona Maria toca a porta existe uma marquinha causada pela última mudança, onde uma cadeira da cozinha descascou um pouco da tinta da porta, que também é isolante. Nesse instante, Dona Maria, que está no mesmo potencial de eu, você, das cadeiras e do chão, mas diferente da geladeira, passa a conduzir corrente para o chão, já que ela está descalça. É uma corrente pequenina também, da mesma grandeza da corrente que está passando pelos pés da geladeira. A diferença, é que essa corrente, mesmo sendo pequenininha, é o suficiente para sensibilizar as terminações nervosas de Dona Maria e contrair alguns dos seus músculos. A princípio, os seus dedos tremem involuntariamente, para em seguida, suas cordas vocais liberarem um sonoro “Filho da p***”, voluntariamente.

Já na casa de Dona Alice, casada com um legítimo buliçoso das galáxias, a geladeira está devidamente protegida com o fio terra. Esse fio está conectado diretamente ao chão, com resistência praticamente nula. Quando o isolamento do motor da geladeira falha, toda a corrente é drenada pelo fio direto para a terra. Dona Alice pode fazer bolo a vontade, pois a maior parte da corrente que passaria por seu corpo está fluindo pelo caminho de menor resistência – o fio terra. Ainda flui um pouco de corrente por Dona Alice, mas esta é desprezível e incapaz de causar qualquer dano ou mal estar que seja à dona de casa.