Bom, agora que você já sabe o funcionamento e a importância do fio terra, é bom saber também como instalar e fazer bom uso dele em casa. Montar uma instalação de aterramento em uma residência pode ser uma tarefa simples ou não, dependendo da arquitetura de sua casa e se você têm ou não quintal e/ou jardim. Se você mora em apartamento, talvez seja preciso a ajuda de um profissional. Mas, antes de fazer isso, lembre-se que um verdadeiro Buliçoso das Galáxias precisa tentar primeiro com as próprias mãos, e não chama um profissional enquanto não tiver derrubado uma parede inteira ou perdido pelo menos dois dedos.

A haste de aterramento

É o principal elemento de um sistema de aterramento. Não passa de uma vara de cobre lisa que pode variar de um metro e meio a quatro metros de comprimento e cerca de 15 milímetros de diâmetro com uma ponta afiada para facilitar o cravamento no solo.

O melhor local para se cravar a haste de aterramento é em solo não arenoso e que permaneça úmido a maior parte do tempo, ou seja, o jardim da mulher.

Por que isso?

Se você não sacou ainda, a haste é o contato entre o seu circuito de terra e o solo e precisa ter o mínimo de resistência elétrica possível. Solo arenoso possui alta resistência. Solo úmido possui baixa resistência.

A escolha do comprimento da haste vai depender de uma série de cálculos que envolvem a medição da resistividade do solo, quantidade de hastes utilizadas e a disposição delas. Eu aconselho a utilização de uma haste de 1,5m para instalações residenciais. Se ela não for suficiente, você só vai saber quando alguns aparelhos apresentarem alguns problemas ou começarem a dar choques. Existem equipamentos utilizados especificamente para testar a qualidade do aterramento, mas estes não fazem parte da mala de ferramentas de um Buliçoso das Galáxias.

Para fixar a haste você vai precisar de uma marreta ou martelo pesado, força e sorte. Escolha um local do jardim ou quintal que seja úmido (canteiro de rosas), fácil de chegar com a fiação (perto da parede) e que você saiba que não possua pedras embaixo (longe de colunas). A haste tem que ser cravada perpendicularmente ao solo para que atinja as regiões mais profundas onde a resistividade é menor. Escolhido o local, é só aprumar a vara e bater na ponta. Deixe de 10 a 15 centímetros da haste não enterrados para que tenha espaço para fazer a conexão com a fiação.

Haste e conector de aterramento e a forma de conectar
Haste e conector de aterramento e a forma de conectar

O conector para a haste de aterramento

O conector para a haste de aterramento é chamado de conector para haste de aterramento e tem a função de conectar a haste de aterramento ao fio terra. É uma peça meio que  hexagonal em cobre com um parafuso. Você simplesmente coloca o fio junto à cabeça da haste e aperta os dois juntinhos com o conector.

Lembrete: Antes de começar a bater na haste para cravá-la ao solo, coloque o conector sem apertar, pois o cobre é um metal macio e as batidas da marreta formam uma cabeça (ou chapéu) parecida com um cogumelo na extremidade da haste, dificultando a entrada do conector posteriormente.

Se possível, não enterre a cabeça da haste com o conector, pois o solo pode gerar incrustações no metal, degradando a conexão e aumentando a resistência.

O fio terra

O fio terra deverá estar conectado diretamente ao equipamente (ou sua tomada), sem emendas. Você pode usar o mesmo aterramento para diferentes equipamentos, mas lembre-se que tem que ser um fio para cada um, se encontrando todos lá no conector da haste.

Isso é importante por dois motivos:

  1. O mais simples é que emendas são pontos de elevada resistência elétrica.
  2. O principal é que se houver uma falta à terra em algum equipamento, essa falta poderá introduzir uma elevada tensão em todos os fios terras, causando danos aos demais equipamentos conectados a essa fiação.

Momento Explicação Técnica: Uma falta à terra tem como principal característica uma elevada corrente de fuga, que ao circular por um caminho de resistência levemente elevada produzirá uma queda de tensão proporcional à corrente e à resistência, de acordo com a lei de Ohm: V = R x I, onde V é a tensão, R a resistência da emenda e I é a corrente da falta.

Um outro tipo de instalação de aterramento é feita um pouco diferente. O fio terra sai da haste e vai até o QDL, onde se conecta à chamada barra de aterramento, onde se conectam os outros fios terra do restante da instalação. Contudo, é preciso garantir o mínimo de resistência entre a haste e a barra de aterramento, sendo utilizado emendas com solda e um fio terra de bitola maior. O neutro – que não precisa de disjuntor – também pode ser instalado com o auxílio de um barramento.

À esquerda a barra de neutro e à direita a barra de terra
À esquerda a barra de neutro e à direita a barra de terra

Por falar nisso, a escolha da bitola do fio terra deverá ser baseada na bitola da fiação de alimentação do equipamento (fase e neutro), sendo o fio terra pelo menos da mesma bitola dos demais.

Essa segunda forma de instalação é mais comum em prédios, mas se popularizará em breve, pois já há algum tempo as novas construções deverão possuir fio terra em todas as tomadas.

Cor sim, cor não

Nacionalíssimo

Nacionalíssimo

Par finalizar, a norma NBR 5410 normatiza a utilização das cores verde-amarela para identificar o fio terra, podendo ser utilizado o verde em identificações provisórias.

A NBR 5410 é a norma brasileira que determina tudo sobre instalações elétricas em baixa tensão e deverá ser o livro de cabeceira de todo Buliçoso das Galáxias.

Anúncios